Postado em 5 de novembro de 2017
Compartilhe

A doença de Alzheimer é progressiva, neurodegenerativa e evolui ao longo de décadas. A fase inicial se caracteriza por insuficiência cognitiva e funcional leves, mas perceptíveis, com progressão para a demência. Esta progressão gradual cria uma janela de oportunidade para intervenções nos estágios iniciais da doença. É a hora de investir em tratamento para estimulação cognitiva!

Nenhum tratamento farmacológico está atualmente disponível para indivíduos com doença de Alzheimer inicial, porém o desenvolvimento de intervenções seguras e eficazes nos primeiros estágios da doença de Alzheimer continua imperativo, reforçam os pesquisadores.

Os estudo LipiDiDiet, financiado pela União Europeia, mostrou resultados promissores com abordagens multimodais, não farmacológicas, incluindo intervenções dietéticas. Ao longo de 2 anos 311 pessoas diagnosticadas com comprometimento cognitivo leve (CCL), de quatro países diferentes (Finlândia, Alemanha, Holanda e Suécia) foram observadas. Elas foram divididas em dois grupos, distribuídos aleatoriamente entre grupo teste e grupo controle. O grupo teste fazia uso de 125 mL do suplemento Souvenaid uma vez ao dia, enquanto que o grupo controle ingeriu uma bebida iso-calórica. O Souvenaid é um composto nutricional da Danone Medical Nutrition, desenvolvido após mais de dez anos de pesquisas envolvendo testes no Instituto de Tecnologia do Massachusetts, nos Estados Unidos e clinicamente comprovado para a administração via dieta da fase inicial da doença de Alzheimer. A bebida contém “Fortasyn Connect”, uma combinação específica de ácidos graxos essenciais, vitaminas e outros nutrientes, e inclui omega-3, colina, monofosfato uridina, fosfolipídios, antioxidantes e vitaminas B. Esses componentes fornecem doses generosas de EPA e DHA, que são formas da gordura ômega-3, além de vitaminas, que também estão presentes em certos cardápios, como a dieta mediterrânea. À base de peixes, verduras, frutas e azeite, essa alimentação é frequentemente associada à prevenção do Alzheimer. Essa associação fez alguns especialistas receberem com ceticismo as revelações do estudo. “Há sinais de algo significativo, mas o tamanho do efeito é pequeno e algo similar provavelmente pode ser alcançado a partir de uma dieta saudável”, disse David Reynolds, diretor científico da Alzheimer’s Research UK, principal ONG de pesquisa sobre o Alzheimer no Reino Unido, ao jornal on-line britânico Daily Mail.

Os resultados do estudo mostraram que os participantes do grupo teste apresentaram melhora do desempenho cognitivo e funcional e tiveram menor atrofia de hipocampo, um importante sinal no prognóstico do Alzheimer. No entanto, não foi possível afirmar que o produto reduz a perda de memória ou é capaz de frear a evolução da doença, de acordo com resultados de testes neurocognitivos aplicados nas amostras. Pesquisadores sugerem ser necessário um estudo mais aprofundado das abordagens nutricionais com tamanhos de amostra maiores, maior duração ou um ponto final primário mais sensível nessa população pré-demência. Enquanto novos estudos não são realizados continuamos trabalhando com a melhor forma de proteção cognitiva, mesmo nas fases iniciais de Alzheimer: estimulação cognitiva e dieta adequada.

Leia mais em Alzheimer: suplemento desacelera a progressão da doença 
Leia o estudo completo em 24-month intervention with a specific multinutrient in people with prodromal Alzheimer’s disease (LipiDiDiet): a randomised, double-blind, controlled trial

Comentários