Postado em 1 de fevereiro de 2018
Compartilhe

Trato de pacientes com Parkinson há muitos anos e, com eles, aprendo a cada dia técnicas e dicas que eles mesmos desenvolvem para minimizar sintomas e facilitar movimentos.  Assim sendo, resolvemos unir meu conhecimento técnico ao conhecimento de vida dos parkinsonianos e lhes apresentamos algumas dicas simples e fáceis que podem ajudar. Como eu costumo dizer: são informações riquíssimas, algumas não existem nem nos livros!

Quem tem Parkinson, sente dificuldades para realizar as atividades diárias básicas, como: cortar um alimento, abotoar a camisa, pentear o cabelo, escrever…
Limitações como essas comprometem a qualidade de vida desses pacientes, e persistem, apesar do tratamento medicamentoso. A ajuda e o carinho das pessoas próximas são fundamentais! Quem convive com quem tem Parkinson precisa ter empatia e paciência. Lembre-se de que seu familiar não escolheu ficar doente. Antes de falar ou tomar alguma atitude coloque-se no lugar dele e se pergunte: “Eu gostaria que fizessem isso comigo?”

Nas próximas semanas vamos apresentar uma série de dicas simples e eficazes que auxiliam os parkinsonianos a otimizarem seu desempenho nas atividades cotidianas. Comentem, compartilhem, participem!

 

1- PLANEJE SEU TEMPO!

Essa é uma das dicas mais valiosas para os parkinsonianos: nunca realize tarefas com pressa. Apesar dessa dica ser simples, vejo diariamente familiares puxando os pacientes para se levantarem, empurrando-os levemente durante o caminhar e não sabendo como “destravar” o paciente que sofre de freezing (Fiquem atentos! A dica do freezing virá em breve!)

Converse com seu familiar/cuidador para jamais lhe apressar ou pressionar. O ideal é o cuidador ajudá-lo a se organizar previamente quando houver um compromisso ou evento. A pressa promove tensão mental, o que traz como consequências bloqueio de movimentos e exacerbação de sintomas. Ou seja, o efeito será contrário ao desejado. Sob tensão, o parkinsoniano vai demorar ainda mais para se arrumar, além de sentir desconforto causado sintomas exacerbados e alteração emocional, como tristeza, sentimento de menos-valia e frustração.

Sabemos que na correria do dia a dia é difícil não ter pressa e impaciência, mas com organização e planejamento é possível realizar tudo à tempo e no tempo do paciente.

Falando em compromissos, tem esquecido deles? Daremos dicas sobre memória e Parkinson num post futuro.  Fiquem ligados!

 

2- ORGANIZE SEU AMBIENTE!

Um ambiente organizado previne quedas e outros acidentes, além de facilitar a vida.

Eu oriento meus pacientes a guardarem os objetos que mais utilizam num local de fácil alcance. Isso também ajuda a prevenir posturas inadequadas e a evitar a fadiga, queixa tão comum entre os parkinsonianos.

Se você sofre muito com dores, fadiga, cansaço no dia a dia, converse com seu Terapeuta Ocupacional e peça orientações para Economia de Energia. O Terapeuta avalia o ambiente e orienta adaptações ambientais, realiza treinamento postural e sugere facilitadores para as tarefas, como um calçador para sapatos, um alcançador ou um talher engrossado, por exemplo. Pequenas mudanças na sua rotina te ajudarão a ter maior rendimento no desempenho ocupacional e a prevenir dores e fadiga.

Não guarde os objetos nem muito no alto, nem muito para baixo, pois para alcançá-los você pode sentir dores nas costas ou perder o equilíbrio. A instabilidade postural é um dos sinais cardinais da Doença de Parkinson. Precisamos evitá-la.

Retire objetos instáveis do ambiente, como tapetes e enfeites.

Caso perca o equilíbrio, jamais se apoie em mesas e cadeiras. Jamais suba em bancos ou cadeiras. Eles são instáveis e podem virar, provocando quedas. Eu oriento meus pacientes a não subirem nem em escadas.

Essa semana um paciente que eu atendo, de quase 80 anos caiu do telhado. Por sorte ele não teve nenhuma fratura.
Eu perguntei: “Estava fazendo o que no telhado?” “Ah, Dra, fui trocar uma telha… Odeio me sentir inútil” Após este episódio foi necessário conversar com a família, reavaliar habilidades, potencialidades e atividades significativas. Pois é claro que o parkinsoniano não precisa parar de fazer tudo o que gosta, pelo contrário, deve continuar fazendo, mas em segurança! Delegue as tarefas perigosas! Peça para alguém trocar a telha, limpar janelas altas, pegar algo pesado em cima do armário. Você pode e deve se permitir. As quedas são a principal causa de fraturas em idosos. Precisamos evitá-las.

Invista em barras de apoio e, se necessário, providencie um andador ou bengala, sob orientação do seu TO ou Fisioterapeuta.

Mantenha a casa iluminada, mesmo à noite, caso o paciente precise levantar para ir ao banheiro ou tomar água.

Invista em tapetes ou adesivos antiderrapantes. São baratos e previnem acidentes.

Este foi nosso primeiro post de dicas para melhorar o desempenho ocupacional. Espero que tenham gostado.

Dúvidas? Entre em contato!

Drª Andressa Chodur crefito 8956

Comentários