AVDs na Doença de Parkinson – Alimentação

Como a Terapia Ocupacional pode auxiliar parkinsonianos na alimentação, reduzindo acidentes, derrubada de alimento, engasgos e otimizando o desempenho ocupacional nessa atividade de vida diária, que é fundamental para o bem estar e qualidade de vida?

Como cuidar de um paciente com demência numa crise nervosa?

Diversas patologias levam à disfunção cognitiva: Alzheimer, Parkinson, AVC, demência fronto-temporal, depressão, entre outras. Independente de qual seja o diagnóstico crises podem acontecer e elas trazem alteração comportamental, choro, agressividade, ameaças, fala desconexa, automutilação, o que deixam os familiares e cuidadores sem saber como agir. Nesse vídeo eu oriento algumas dicas fáceis e simples, com linguagem acessível para ajudar os cuidadores e familiares a agir num momento de crise.

Como lidar com quem tem disfunção cognitiva?

Alzheimer, Depressão, Demência fronto-temporal, Parkinson, AVC e efeitos colaterais de algumas medicações, entre outras, são causas de declínio cognitivo. Sujeitos muito idosos também podem enfrentar déficits, que são considerados ‘normais’ para a idade. Mas o que são esses déficits e como lidar com eles? Essas perguntas têm sido cada vez mais frequentes e esse post vem

1º curso sobre Doença de Parkinson para Terapeutas Ocupacionais

Curso de formação, pela primeira vez no Brasil! Com carga horária de 16hs e conteúdo exclusivo. Ministrado pela Terapeuta Ocupacional Andressa Chodur, que há 13 anos atende pacientes com esse diagnóstico. Conteúdo Sábado 8h00 – Recepção 8h30 – 10h00 – Introdução à DP: fisiopatologia, sinais e sintomas, classificações, parkinsonismos, possibilidades de tratamento (2hs/aula) 10h00 –

Estimulação Cognitiva e Memória

Doenças como o Alzheimer, que acometem principalmente a população idosa, são conhecidas por apresentarem déficits de memória dentre os sintomas principais. Porém esta não é uma queixa exclusiva de quem tem algum tipo de demência (são centenas de classificações de demências já descritas na literatura), tampouco é uma exclusividade dos idosos. Fatores como diabetes, hipertensão, uso de drogas, depressão, acidentes, traumas,